História do Parapente.

O Parapente ou Paraglider (Paraglider em inglês) é um aeroplano (aeronave mais pesada do que o ar), em cuja asa (inflável e semelhante a um pára-quedas, que não apresenta estrutura rígida) são suspensos por linhas o piloto e possíveis passageiros. Costuma-se denominar paramotor o parapente no qual um motor é empregado para propelir o piloto. O vôo de parapente (conhecido em alguns Países como Paragliding) é uma modalidade de vôo livre que pode ser praticado tanto para recreação quanto para competição (considerado esporte radical), pode ser descrito como um híbrido entre a Asa Delta e o Paraquedas. Diferentemente do paraquedas o parapente oferece um vôo dinâmico, onde o piloto pode controlar sua ascendência e direção, dependendo das condições metereológicas como velocidade do vento.

Histórico.

A história do parapente começa em 1965 com a Velasa (Sailwing em inglês) criada por Dave Barish que chamou de slope soaring (vôo de talude) a prática de vôo com esta vela. Paralelamente Domina Jalbert inventa um paraquedas cujo velame é composto por células (para gerar efeito asa). Este paraquedas com dorso e intra-dorso, separados pelas células, foi o ancestral dos atuais paraquedas, parapentes e kites (as velas do kitesurf). Desde então passaram a evoluir separadamente e atualmente a diferença mais importante entre paraquedas e parapente é em relação ao chamado L/D (em inglês, Lift and Drag), ou coeficiente de planeio, que significa a distância horizontal que se pode atingir quando se parte de uma certa altura. Por exemplo: com um parapente de L/D 7, se se decola de uma altura de 1 km, atinge-se 7 km de distancia horizontal. Nos parapentes atuais os L/D's são superiores a 7, já os paraquedas são muito inferiores a isto.

fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre